Viagem à Ilha de Margarita :: Chegando em Manaus…

Confira o post inicial: Viagem Manaus – Ilha de Margarita (Venezuela) com o índice de todos os relatos da viagem.

Após a saída da reserva indígena, passamos por uma placa que dizia: “Manaus: 202km”. Já faziam alguns quilômetros que a estrada estava ruim e o sol estava se pondo, então diminuí a velocidade. Cansados da noite mal dormida e de 1.800km rodados em dois dias, já sonhávamos com um banho e uma cama confortável na casa dos amigos que nos recepcionariam em Manaus.

Estavámos a 100km/h, contando o tempo pra chegar quando, no meio de uma curva, avisto uma sequência de crateras no asfalto. Não estou falando de buracos quaisquer: eram três buracos que atravessavam toda a pista de um lado ao outro. Travei os quatro pneus do carro por alguns metros e soltei o freio pra passar pelo indesviável, esperando pelo melhor… mas o melhor não veio: depois de um solavanco, senti o carro estranho e imediatamente ouvi o inquestionável barulho de ar saindo pelos pneus.

Parei o carro, liguei o alerta e fui conferir: pneus dianteiro e traseiro esquerdos estavam rasgados. Comecei a pensar no que fazer, ainda meio atordoado, quando dois rapazes de moto param para prestar assistência. Eles comentam que trabalham na manutenção da estrada dentro da reserva e que estavam voltando pra Manaus. Se abaixam e começam a me ajudar na troca do pneu dianteiro. Depois de alguns minutos um deles me diz: “Eu conheço um borracheiro na entrada da reserva, há poucos quilômetros daqui… Vamos trocar o pneu dianteiro e levamos o traseiro pra consertar”.

O rapaz, muito educado, pegou a moto e me chamou pra ir com ele. Fiquei meio desconfiado mas não tinha muitas opções e em uma decisão de momento decidi ir com ele. A pior parte era deixar a Viviane, ao anoitecer, à beira de uma estrada vazia com um estranho. Falei com ela que, assustada, acabou concordando e então eu fui, pedindo a Deus que nada acontecesse.

Rodamos cerca de 2km em direção à reserva e chegamos até um borracheiro. Ele olhou pro pneu com o rasgo e disse: “sem chance, só colocando uma câmara de ar… mas leve até o outro borracheiro que ele é mais esperto e talvez consiga alguma coisa”. Pegamos a moto e seguimos mais 1km. O outro borracheiro começou a fazer alguns testes – sem muita esperança – e nesse momento o rapaz da moto vira-se pra mim e diz: “eu vou até ali na venda comprar um cigarro e já volto”. Antes que eu dissesse alguma coisa, ele já estava na moto, voltando pela estrada por onde havíamos vindo…

Nesse momento eu, que já estava com medo, comecei a ficar apavorado: já era início de noite, eu estava sozinho em uma estrada sem movimento (o portão da Reserva Indígena estava fechado), a Viviane estava sozinha há alguns quilômetros dali com um estranho e o rapaz da moto estava indo na direção deles… O que fazer?

Aguardei alguns instantes e… UFA! Lá estava o “rapaz da moto” (nem sei o nome dele) com os cigarros que tinha ido comprar. Mais aliviado (e com o pneu sem conserto – o diagnóstico do segundo borracheiro foi o mesmo), subi na moto e começamos a voltar. No caminho o rapaz me mostrou o único telefone que eu encontraria num raio de 20km, próximo de uma pequena mercearia.

Quando cheguei no carro, fui logo procurando a Viviane, e felizmente tive uma boa surpresa: ela estava bem descontraída, ouvindo o que o rapaz tinha a contar sobre os incidentes comuns na Reserva Indígena (históricas como a do dia em que índias foram fotografadas tomando banho e a estrada foi fechada; a morte de um ancião da aldeia e o quase linchamento de uma enfermeira da FUNAI; as exigências excêntricas dos índios e assim por diante).

Os rapazes da moto, muito simpáticos, tomaram seu caminho sem aceitar qualquer gratificação. Ficamos muito agradecidos e prometemos que passaríamos o favor adiante quando surgisse a oportunidade.

Agora era noite e fomos, rodando com um pneu vazio, até o único telefone da região. A ligação pro seguro foi uma história à parte: o atendente quase não acreditou quando eu disse que estava “a 200km de Manaus, próximo a uma reserva indígena”, mas ainda assim me deu a resposta padrão: “não se preocupe senhor, estamos enviando um guincho e um taxi, a previsão de chegada é de 2h, por favor nos ligue em 30min pra confirmar”. 30 minutos depois liguei novamente e ouvi uma nova previsão pro guincho: 3h, ao mesmo tempo que me disseram que não encontraram nenhum táxi disponível mas eu poderia pegar um táxi qualquer e seria reembolsado posteriormente, com a apresentação da nota fiscal. Pensei em responder que talvez conseguisse algum índio pra me levar, mas me contive. :-)

Terminei de falar com o seguro e decidimos ligar pra nossos amigos em Manaus. Nesse momento o telefone ficou mudo. Iluminei com minha pequena lanterna o aparelho telefônico e vi a mensagem “A G U A R D E”. Havia um senhor ao nosso lado que usara o telefone há pouco. Perguntei o que essa mensagem queria dizer e tive uma grande surpresa na resposta:

“Ah, isso é normal, é por causa disso aí” e aponta com sua forte lanterna para um cercadinho a 2 metros do telefone, onde vemos nada mais nada menos do que uma antena parabólica e um painel solar. “A bateria não aguenta muita carga à noite, mas logo o sinal volta”. E ainda completou: “o próximo telefone fica a 20km daqui, mas geralmente está quebrado… e esse aqui, quando quebra, demora muito pra ser consertado, pois o técnico da Embratel tem que vir de São Paulo”.

Um pouco pasmos, pegamos o carro e fomos para um posto de combustível (fechado) do outro lado da rodovia aguardar pelo guincho, que só chegou depois de 5h30min, às 01:30h. O carro foi colocado em cima do pequeno caminhão e nós fomos dormindo dentro dele (sim, em cima do guincho). O velocímetro do carro marcava 4.814km rodados. Os últimos 202, que completariam os 5.000 da viagem, foram de carona. :-)

Chegamos às 05:30 em Manaus, contamos a história completa pra nossos amigos e fomos dormir um pouco. Ainda no sábado coloquei uma câmara de ar no pneu rasgado e levei o carro pra empresa que o traria pra Curitiba. À noite embarcamos em nosso voo e aqui estamos, prontos pra próxima.

No aeroporto de Manaus, a caminho de Curitiba

No aeroporto de Manaus, a caminho de Curitiba

Com isso encerra-se a história de nossa viagem, que apesar dos contratempos, foi excelente. Se você leu até aqui, espero que tenha gostado.

Por fim, deixo a grande e mais importante dica de todas: tenha sempre uma, ou melhor, duas câmaras de ar de reserva. :-)

Comentários

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

44 Comments

  1. Vinicius Ribeiro

    Cara, muito bacana a sua viagem, melhor ainda o seu relato. Gostei mesmo, belo trabalho. Esta parte final, com você deixando a delegada sozinha, a treta com o telefone a energia solar, pneus furados… várias emoções para fechar de forma única a viagem, não é? Massa mesmo. Grande abraço piazito!!

    Reply
  2. Henrique Melo

    Bom, sinceramente não saberia o que fazer se tivesse que deixar minha namorada sozinha com alguem que eu nunca vi, muito corajoso. Excelente relato, será de grande utilidade pra mim. Espero fazer o mesmo relato quando realizar a viagem.
    Muito Obrigado.

    Reply
  3. ademar

    Vinícius: pois é, eu disse que tinha muita história pra contar. Eventualmente ainda refino esses posts e crio uma página centralizando tudo. Tive que correr pra postar tudo antes de vir pra nova aventura em Angola. :-)

    Henrique: quando fizer a viagem, mande um recado dizendo como foi.

    Abraços,
    – Ademar

    Reply
  4. Israel

    Cara, mt divertida sua história, estou pensando em ir dia 10 de janeiro pra lá, obg pelas dicas..Só uma pergunta: Eles fiscalizam na volta a noite o carro mesmo? ou dá pra trazer um notbook?ehhehehe

    Reply
  5. ademar

    Israel: comigo a fiscalização foi muito tranquila, só pediram pra abir o porta-malas e perguntaram se estava levando algo além da quota.

    É como na divisa com o Paraguay: dá pra arriscar, mas você fica dependente da sorte.

    Reply
  6. David

    e ai boa noite!
    estou querendo fazer esta viagem tb!!
    qt foi o gasto de vcs total?? com td compras, lazer, etc…
    obrigado e muito massa esse seu blog

    Reply
  7. andre felipe

    rapaz a historia e p se fazer um livro… gostei mto… ainda esse ano pretendo “meter o pe na estrada” rumo a isla de margarita… obrigado pelas informacoes… abraço

    Reply
  8. Marcelo

    Legal o seu relato, vai servir pra orientar muitas pessoas que estão planejando essa viagem!
    Me tira uma dúvida, com relação ao casal, quanto vocês levaram de grana?
    Se tiverem mais alguma informação sobre custos, e o quê vale a pena levar sobre financas, eu agradeço!!!

    Sds.

    Marcelo

    Reply
  9. ademar

    David, Marcelo: isso varia muito conforme a época do ano e o nível de conforto que você espera. Eu ouvi relatos de pessoas que disseram que com R$ 1.500,00 você faz a viagem de ida e volta e paga uma semana em uma pousada simples (casal).

    Eu recomendo que você procure alguém em Manaus que tenha ido recentemente pra lá. Eu gastei bem mais que isso, mas me dei ao luxo de passar algumas noites em um hotel mais requintado e ainda peguei os dias de carnaval (alta temporada).

    As coisas em geral são mais baratas do que no Brasil e há muitos itens importados a um ótimo preço.

    A dica principal, como eu menciono em um dos posts, é trocar o dinheiro na fronteira e não usar cartão de crédito, pois o câmbio oficial é bem inferior ao câmbio paralelo (de rua, na fronteira).

    Abraços,
    – Ademar

    Reply
  10. dionizio e tess

    ai ademar muito massa seu blog, gostei. moro em rio branco no acre, mais tenho familia em Manaus, estou me programando para ir ano que vem 2008, qual é a melhor epoca pra ir vc sabe? de manaus até a ilha vc gastou quantos dias de viagem? quantos quilometros rodados até lá?
    há mais uma pergunta, precisa de passaporte? valeu um abarço!

    Reply
  11. Viviane

    Olá…
    Pretendo ir a margarita na semana que vem. Estou morando em BV. Estou atras de dados que me ajudem nessa aventura. Onde consigo mapa??? Aqui na cidade não achei nenhum….
    Devo reservar a hospedagem?

    Reply
  12. dionizio e tess

    ademar para dirigir na venezuela, no caribe precisa de carteira de habilitação internacional? valeu!

    Reply
  13. Edmar

    Olá Ademar?? Onde vc tirou essa foto. Vi que logo atras de vcs tem um duty free. Tenho interesse em fazer essqa viajem agora em janeiro. Muito bacana. Vlw.

    Reply
  14. ademar

    Edmar: essa última foto é da nossa volta pra Curitiba e foi tirada no Aeroporto de Manaus. Mas em relação duty-free a ilha toda é uma zona-franca, sem imposto de importação, excelente pra compras de importados em geral.

    Reply
  15. MARIO CESAR

    Ola meu querido, tudo bem??
    Moro no rio de janeiro, e sou louco para ir de carro até manaus; acontece, que sei que a partir de um certo ponto a transamazonica praticamente nao existe. Tenho vontade tb de ir até a ilha, acho muito show.
    Abraços e posso imaginar que foi o maximo…
    Mario césar

    Reply
  16. Thiago Nattrodt

    Olá Edmar, gostei muito do seu relato e, as fotos então. Pretendo fazer essa viagem em marco de 2008 (baixa temporada). Moro em Manaus e já fiz essa viagem antes, recomendo a todos. Se gostarem de viajar de carro, é claro.

    Mas fiquei na curiosidade de saber o que houve quando vcs foram roubados, pois o blog nao está abrindo. Tenho um primo que foi enganado na hora de cambiar em Margarita. Colocaram de menor valor no meio de outras com valor maior.

    Abracos.

    Reply
  17. Márcio Caxias

    Rapaz que aventuuuraaa massa essa sua!!!
    Fiquei intrigado com uma coisa… Vc se referiu a um casal de amigos que moram em MAO, por acaso, o Anderson q vc comentou é o Dr. Anderson Freitas? Que frequenta a Igreja Adventista do 7º Dia? Se for, sou amigo de infância do casal… E quanto a sua viagem, vou seguir a risca todas as suas dicas, estarei indo com minha esposa em setembro de 2008, e graças a suas informações poderei dormir tranquilo esta noite… valeu mermão!!! Sucesso…

    Reply
  18. ademar

    Márcio: é esse Anderson mesmo. Mundo pequeno né. :-)

    Abraço,
    – Ademar

    Reply
  19. Amanndinha ;)

    Qual é fui sim ameiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    td de bom

    ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    bye

    Reply
  20. Amanndinha ;)

    Qual é fui sim ameiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    td de bom

    ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    bye

    Reply
  21. Amanndinha Ferreiira Cacau :-)

    sim amei a viagem

    adoreiiiiiiiii

    e td de bom

    podem conferir

    Amanndinha :-)

    Reply
  22. Flávio Cruz

    ademar, fico muito grato por ter compartilhado a sua historia. É inacreditável que praticamente tudo deu certo. Admirei bastante a sua coragem, principalmente ao deixar a sua esposa sozinha. Mas infelizmente você estava sem saída. Eu tenha algumas dúvidas, qual o tempo de viagem De Manaus até Santa Helena ? Onde podemos adquirir o comprovante de vacina internacional ?
    Um abraço e obrigado pelas dicas.

    Reply
  23. CARLOS MORONE SILVA DE QUEIROZ

    PARCERO TO INDO DIA 31 DE AGOSTO DE SABADO PRA DOMINGO,COM MINHA MULHER E UM CASAL DE AMIGOS MEUS, DERREPENTE NOS PODERIAMOS IR NESSA AVENTURA JUNTOS….

    Reply
  24. hellen

    moro em manaus..e quero fazer a minha primeira viagem para margarita..voce recomenda?

    Reply
  25. A gordinha da Escola

    Eu queria algumas dicas para uma Pergunta: quem fundou manaus e com que objetivo?Sou de Mato Grosso e queria muito saber dessa história!!

    Por favor me ajude a responde-la pois não achei em nenhum site da web!!!

    Reply
  26. Patricia Mello

    Cara, eu e meu marido moramos em Manaus e faremos esta viagem em Janeiro/2009. Nós temos um Corolla 2008/09, novinho, será que teremos problema em viajar com nosso carro, ou teremos que trocar de carro com nosso cunhado (ele tem uma S10 4×4)?? Eu prefiro viajar com nosso carro, automático, piloto automático, etc….mas vale a pena..ou estragaria:???
    Adorei sua história!!!

    Reply
  27. carlos junior

    Ademar
    Pretendo fazer essa viagem agora em Março, mais com certeza todas as suas informações são de excelente ajuda, estou procurando todas as informações necessarias para poder fazer uma viagem tranquila (de acordo com os relatos, todos os viajantes tem uma historia pra contar) na medida do possivél.

    Vou fazer a viagem em uma montana e irei eu e a patrôa..

    Reply
  28. CINTHIA

    PARA ADEMAR: GOSTEI MUITO DAS SUAS DICAS, IREMOS DEPOIS DE AMANHÃ PARA MARGARITA, SEGUINDO TODAS ELAS!

    PARA CARLOS: NÃO CONSEGUI IDENTIFICAR SEU E-MAIL. MAS, VAMOS PARA MARGARITA EU E MEU NAMORADO NO DIA 12/03/2009, SAINDO DE MANAUS ÀS 05:00H. QUEREMOS IR BEM TRANQUILOS, CURTINDO A VIAGEM. SERIA LEGAL COMPANHIA PARA ESTRADA. DOIS CARROS É SEMPRE MELHOR. CASO VOCÊS QUEIRAM, ENTREM EM CONTATo: 8128 5184 – CINTHIA & OSVALDO

    Reply
  29. CINTHIA

    aH! mEU E-MAIL CARLOS; cinthiabr@hotmail.com. Qualquer coisa, eh só ligar.

    Reply
  30. John Marques

    Oi Ademar, Parabens pela Historia. cara fiquei nervoso com o final. vc teve que deixar a Viviane sozinha cm um cara estranho, no meio do mato e depois o cara ainda te deixa sozinho e sai p comprar cigarro… parece sena de filme de suspense. Mas essa é a prova que ainda existem pessoas boas nesse mundo!
    Deixa eu explorar vc um pouquinho e perguntar qto vc gastos de garna viva nessa viagem?
    Pretendo fazer essa viagem com minha esposa e meu filho, em outubro ou novembro de 2009.
    Suas dicas serão nosso “manual de instrução”.
    Grande abraço!
    John Marques

    Reply
  31. Jhonata Pinheiro

    Nossa cara,que viajem FANTASTICA,apesar do susto ocorreu tudo bem! ^^
    pretendo viajar em junho com minha prima e o meu irmao,vamos praticamente como “muchileiros” eu domino o espanhol e o ingles,espero q isso me ajude por la hehe :D
    adorei as fotos e anotei todas as dicas possiveis!
    desejo tudo de bom pra vc e sua namorada
    e comente mais de suas viajens!
    abraços
    =)

    Reply
  32. jurcelio vitor da silva

    CARO AMIGO EU TAMBEM FIZ ESTE MESMO PASSEIO QUE VOCE E REALMENTE MUITO LINDO , O EMBARQUE EM PUERTO LA CRUZ NO NAVIO , FIZ ESTA VIAGEM COM UMA NAMORADA DE MANAUS EU ELA E SUAS TRES FILHAS PARA ILHA DE MARGARITA , DORMIMOS DENTRO DO CARRO NA 1ª NOITE NA ILHA , POIS NAO TINHA VAGAS EM HOTEIS NA CIDADE , E NA VOLTA FICAMOS EM UMA POUSADA NO INICIO DA RESERVA INDIGENA JUSTAMENTE POR CAUSA DAS CONDIÇOES DA ESTRADA , MESMO COM TODA EXPERIENCIA MINHA EM VOLANTE TIVE MEDO DE PROSSEGUIR , UM ABRAÇO , ME CONVIDE PARA A PROXIMA VIAGEM .

    RIO DE JANEIRO 14/08/2009

    FASCINANTE : JURCELIO VITOR DA SILVA .

    Reply
  33. Urânia

    Caramba,que loucura essa viagem de vcs,uma aventura e tanto.Dava pra fazer uma mini série com essa história,quando eu li a parte que vc deixou a sua esposa sozinha,nossa,eu quase infarto de aflição louca pra saber o fim,mas graças à Deus terminou tudo bem. Um grande abraço.

    Reply
  34. Rob

    Cara que história, surpreendente seu relato, estarei indo p margarita no final do ano e espero com as dicas que li no seu relato, não passar pelo que você passou, valeu msm pelas dicas e adorei ler toda sua aventura.

    Reply
  35. Luiz Otavio

    Rapaz, que legal a sua viagem, mas sinceramente o lance do pneu foi de assustar!! Fiz esta viagem partindo de boa vista, numa sext-feira véspera de carnaval, não dei muita sorte, pois ao anoitecer peguei a serra e para meu desespero furei o carter do carro quando passei por um buraco. Tive a sorte de encontrar um mecanico que ja tinha fechado a oficina, mas que se compadeceu e consertou o carter do carro, porem acabei dormindo numa cidade que nem lembro o nome. Porém o pior estava por vir. No dia seguinte capotei o carro da forma mais imbecil possível!!! Nem quebrou os vidros! ficando só amarrotado!!! Como num Rali, engatei a primeira e sai do barranco, pois o carro tinha virado 360º é caído em pé! Sorte que alguns amigos estavam indo também para Margarita, então esperamos e fomos com eles. O carro? deixei em um posto policial (sorte que não depenaram) e peguei na volta. Um abraço, Luiz otavio!

    Reply
  36. Kátia Zany

    Nossa!! Foi emocionante o final da viagem de vocês…adrenalinaaaa.
    Gostei muito, fico feliz por eu ter ido à Ilha e ter voltado sem nada de mais ter acontecido, rsrsrsr depois dessa de vocês..rrsrsr O legal é que tudo deu certo graças a Deus nè? Parabéns, gostei de+ desse Blog a vou acessar sempre.
    Até a próxima aventura.

    Reply
  37. Carlos André

    Meu amigo, você e sua esposa são dois heróis. Foram férias certamente inesquecíveis. Quase morri do coração antes do final do relato do estouro do pneu na volta para Manaus mas, graças a DEUS, deu tudo certo. Se tudo correr bem estarei indo em Fevereiro de 2010 fazer esta mesma viagem e quero muito agradecer as preciosas dicas que foram dadas. Gostaria de tirar uma dúvida: foi necessário fazer um seguro (do carro) extra (extensão de perímetro) para entrar e circular em território venezuelano?. Depois da minha viagem, compartilharei as experiências. Um grande abraço irmão.

    Reply
    1. ademar (Post author)

      Oi Carlos. Eu fiz uma extensão do seguro com minha própria seguradora pra ter cobertura na Venezuela. Não sei como está a situação agora, mas com a entrada da Venezuela oficialmente no Mercosul, talvez a cobertura de alguns seguros já seja automática. É sempre bom confirmar com sua seguradora antes de viajar. Abraço.

      Reply
  38. Eleduardo

    Olá Ademar, estou com mais vontade de ir para Boa Vista agora com seu relato, morei em Boa Vista até 1989, conheci BV8 e Santa Helena em 1986, sempre tive vontade de voltar, ainda mais agora com seu diário de bordo nos mostrando as belezas da Ilha de Margarita e dicas de viagem. Vou agendar hoje mesmo minha próxima viajem com minha esposa – Ilha de Margarita, tenho uma dúvida, não falamos espanhol e nem casteliano, teremos muita dificuldade ?

    Abraços e com certeza iremos divulgar aos amigos seu blog.

    Reply
  39. luciane

    alguem pode me dzer quais sao os meses de temporada baixar na ilha de margarita

    Reply
  40. marco aurelio

    Caro , Ademar já fiz esta aventura a primeira em 2001 e a estrada manaus-boa vista ainda era de barro , cara foi uma grande aventura e na epoca minha esposa perdeu os registros e fotos da aventura e vendo vc relatar fiquei com saudades ….È uma coisa única , reserva indigena , solados da força nacional , ferry , sao tantas surpresas que merecem na verdade um pequeno livro , parabéns e uma dica sempre importante : cameras de ar , fusiveis , lanternas , cobertores e nunca deixar de abastecer , Ah fui multado por que tinha uma folha de arvores presa na placa dianteira ( e quando fui pagar a multa era feriado . Abraços . Marco Aurelio de Manaus

    Reply
  41. Pingback: Venezuela Parte 1: a preparação (ou onde conseguir informações para uma viagem) « Eu me chamo Stefânia Masotti…

  42. Jhullye

    Poxa, muito legal sua história…
    Gostaria de sabe rond econseguiu o mapa…
    Preciso de um..
    Quero fazer essa viagem agora em Fevereiro pra lá…
    No aguardo.
    Abraço e parabéns ai pela história.

    Reply
  43. Ramond Beckma

    Amigo com toda certeza eu não deixaria minha namorada sozinha com estranho,graças a Deus que tudo que aconteu com vocês neste incidente deu tudo certo. Ja passei por semelhantes acontecimentos mais nada muito arriscado.

    Eu gostei muito da maneira que você comtou, dramatico.Por um acaso encontrei seu blog. parabens suas aventuras muito interessantes.

    Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *