Não, eu não gostei do OS-X

Depois de dois meses utilizando um MacBook Pro, finalmente voltei ao bom e velho hardware IBM PC. No início achei que, como tantos amigos e ex-colegas de trabalho hoje ex-linuxers, eu também seria mordido pelo bichinho da maçã: me impressionei com algumas firulas e depois de ler sites como o Portal Mac do Aurélio, achei que iria me adaptar facilmente. Mas eu não demorei pra concluir que realmente não combino com o OS-X e assim que tive a oportunidade troquei o macbook por um ThinkPad.

Confesso que durante esses dois meses o aplicativo mais utilizado foi o VirtualBox rodando Linux, mas fiz um esforço pra utilizar o desktop do OS-X e me adaptar às aplicações disponíveis (sem grandes hacks que descaracterizassem o sistema), como experiência.

Eu respeito quem optou pela mudança – e olha que não foram poucos – mas pra mim o OS-X está muito longe de ser um sistema que me agrade. Minhas principais reclamações:

  • Mouse com um botão;
  • Design fresco :-P;
  • Um ecossistema não livre (inclusive menos “grátis” do que o MS-Windows);
  • Ctrl+C e Ctrl+V;
  • Um browser (Safari) que teima em voltar a ser definido como padrão, mesmo com o Firefox3 instalado (evil!);
  • Sistema de janelas extremamente limitado (sem desktops virtuais, finder é muito simplificado, etc);
  • O botão de maximizar tenta ser inteligente (e não é);
  • Sistema de instalação/remoção de aplicativos brain-damaged (eu poderia escrever um post sobre isso, mas vou dar uma de troll mesmo);
  • Bugs como em qualquer outro SO (e-mail client travava, máquina algumas vezes congelava em suspend quando o monitor externo era reconectado, etc)

Comentários

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

19 Comments

  1. Erick

    ehehehehe, gostei! dificilmente alguém fala mal do OS-X.

    Parabéns pelo blog, estou sempre de olho.

    Abs,

    Erick

    Reply
  2. Tabgal

    E porque não ficar com o MacBook mas rodando Linux??

    Reply
  3. ademar

    Tabgal: ficar com um mouse de um só botão, um teclado com layout todo estranho e um hardware de design fresco pra rodar linux? Fora isso, aquele troço esquenta ainda mais com Linux (o case de alumínio funciona como um dissipador).

    Não, obrigado. Se é pra ter um MacBook, que seja pelas razões certas.

    Reply
  4. Sheldon

    Você é corajoso.

    Reply
  5. Fabrício

    Ademar, só por curiosidade:

    1. Qual a versão do Macbook Pro você testou?

    2. Qual a versão do Mac OS X você utilizou?

    []’s

    Reply
  6. Gustavo Boiko

    “Sistema de janelas extremamente limitado (sem desktops virtuais, finder é muito simplificado, etc);”
    Aí é injustiça: o Leopard tem desktops virtuais, e não entendi o porquê o finder é muito simplificado (eu uso o finder até com mais freqüência do que deveria).

    Em relação ao ecossistema, macports na veia ;)
    CTRL-C e CTRL-V é algo que me incomoda bastante, definitivamente o esquema do X é melhor.
    Quanto ao safari não posso falar, eu uso ele por padrão, não tenho razão pra usar o firefox :)

    Mas definitivamente você deveria dar uma chance ao Leopard :)

    Reply
  7. ademar

    Fabrício: o OS X é o Tiger (10.4.11), o Hardware é um MacBook Pro 15″ (Intel Core Duo 2.33GHz com 2GB de RAM).

    Eu não cheguei a instalar o leopard (10.5), mas pelo que vi no changelog e vendo o pessoal que usa por aqui, nenhum dos problemas que eu listei foram solucionados (até porque provavelmente não são problemas na visão da apple).

    Reply
  8. Leonardo Boiko

    – Eu gostei do desktop-search-que-funciona e do troço de mostrar as janelas com o mouse no canto da tela, mas ainda sou mais ratpoison;
    – Eu amo o design do OS X, mas odeio a aparência, e não dá pra mudar a aparência;
    – Macports sucks. Darwinports sucks. Software proprietário pra mim foi o que matou. Me recuso a usar a palavra “ecossistema”, mas tudo o que você quer fazer é fechado (e pago). Argh, acabei de usar a palavra “ecossistema”.
    – Eu gosto do design do hardware _e_ da aparência do hardware, por isso estou usando debian no meu macbook — macbook não-pro, preto, que é muito mais lindão que aquela coisona de metal brilhante. Mas se fosse com o meu dinheiro não compraria — suporte a debian está mais ou menos, e o valor não compensa.

    Reply
  9. ademar

    Gustavo Boiko: como você faz pra mover arquivos no finder? (é retórica, eu já sei a resposta). :-)

    Reply
  10. Adenilson Cavalcanti

    Ademar

    Belo post, pouca gente tem coragem de enfrentar as hordas de usuários de Mac (especialmente porque é super *cool* usar mac).

    Minha experiência foi parecida com a sua (macbook black 4.1 com Leopard 10.5.2 acho). Primeiro as partes boas:

    – o esquema de workspaces/desktops virtuais funciona melhor que o Compiz-fusion (é fácil arrastar janelas de um desktop para outro). Não entendi direito o lance de que não tem desktops virtuais, isto é limitacao do Tiger?
    – o expose é muito útil (além de ter um ‘wow’ factor)
    – fiz uma instalacao de teste com o bootcamp (para windows xp) e com o rEFIt (para ter 3boot com Ubuntu ): o particionador do mac é muito bom e amigável.
    – Office 2008 for Mac: muito bom poder abrir planilhas do Excel de novo.
    – o hw tem um design muito bom (mas definitivamente é mais frágil que um Thinkpad!). Achei massa o esquema de poder ver a carga da bateria com o notebook desligado (nota: a bateria tem leds indicadores), o keyboard também tem teclas com uma superfície maior (confortável para quem tem mãos grandes). Outra sacada legal é o conector magnético para o cabo de forca. O esquema de drive de DVD também é massa.

    Agora as partes ruins:

    – o fink (apt-get para o Mac OS X) é legal, mas tem poucos pacotes
    – macports é mais completo, mas dava um monte de problema para instalar algumas libraries (e depois eu tinha que ficar fazendo hacks para poder linkar com elas)
    – muito software freeware, pago, etc… pouco software livre se comparado com Linux
    – o notebook tem uma placa wifi atheros sem suporte nativo para o Linux, e não consegui colocar o ndiswrapper para funcionar (também não tentei o suficiente)
    – o monitor tem uma resolucao pequena (1280×800) apesar de ótimo contraste. Para comparar, tenho um notebook HP com esta resolucao, porém de 3 anos atrás.
    – Bugs: não conseguir achar uma impressora de rede da Xerox ou selecionar o driver correto (até o Ubuntu 6.10 fazia isso!), bluetooth filesharing escondido em algum lugar na parte de configuracoes, dock na horizontal (reflexos? Fala sério!), não conseguir recuperar uma particao com HFS+ de um disco USB (tive que recuperá-lo no linux), multimedia (baixei um vídeo do site da Apple falando do mobileme e o quicktime não conseguiu reproduzir o vídeo? Ainda bem que existe mplayer!), pau qdo fiz um upgrade geral no sistema (tive que dar um hard reset nele), dvd player exige setar a região (não é um bug, é um misfeature), etc.

    O engracado é que já conversei com outros usuário de Mac OS X, sendo muito comum o uso de maquinas virtuais (com WinXP ou Linux), onde realmente é feito o trabalho de fato. No final, acaba-se usando o mac como uma espécie de terminal inteligente…

    Minha sensacao sobre o mesmo: é melhor que o Windows, mais estável e mais bonito. Porém não oferece o mesmo nível de controle/liberdade que o Linux oferece.

    []s

    Adenilson

    Reply
  11. Leonardo Vaz

    Concordo contigo Ademar. Eu usei apenas uma semana, não me adaptei e voltei para PC chinelão rodando Linux. :)

    Reply
  12. Aurélio Jargas

    Amigo Ademar,

    Você foi ver o culto na igreja, mas levou seu mp3 player e um gibi, aí não tem como *sentir* de verdade a pira :)

    Se você usou o VirtualBox, perdeu a chance de conhecer algo novo. O Mac não é uma interface bonitinha pra você repetir os mesmos procedimentos do PC. É pra você aprender um *novo* jeito de usar o computador. O VirtualBox é uma muleta que só atrapalha essa experiência.

    A melhor maneira de um linuxeiro começar a usar Mac é esquecer tudo o que já sabe e dar-se a chance de aprender uma maneira diferente de fazer as mesmas coisas. Só então você começa a sentir de verdade a diferença.

    As tuas justificativas são fáceis de rebater, mas não é esse o ponto. Você tentou repetir a experiência de usuário Linux, e ficou frustrado. Mas assim perdeu o principal: o Mac é diferente!

    Se você quer experimentar *mesmo* o Mac, tem que usar Safari, tem que usar o Finder pra tudo (nada de Terminal), tem que usar iPhoto, iTunes e os programas nativos da plataforma. Então você vai perceber como eles se integram, e como isso facilita tua vida.

    Mas enfim, que pena :)

    Reply
  13. Marcelo Beckmann

    Legal a colocação do Aurélio. No meu caso ocorreu isso quando migrei em casa de Windows 98 para Linux: foi “caindo a ficha” de como se fazer as coisas do jeito linux/unix, e a partir dai tudo foi mais gostoso :)

    Sobre Mac, um fato é que um número considerável de amigos e pessoas linuxeiras que tenho contato que passou a usar Mac gostou, aprovou e recomenda.
    Pessoalmente, tenho curiosidade em poder experimentar um Mac por pelo menos uma ou duas semanas, para sentir a coisa de verdade e poder formar uma opinião com mais propriedade, pois tenho sérias duvidas se me acostumaria.
    Ainda hoje aqui é WindowMaker na veia, e mesmo várias coisas “multimidia” faço pelo terminal mesmo (mplayer, tvtime, xine, etc…).

    []s!

    Reply
  14. ademar

    Aurélio: eu não pude largar o VirtualBox pois meu desktop de trabalho precisa ser Linux. O que eu tentei fazer foi utilizar o OS-X pra qualquer coisa que não fosse necessária no Linux (chat, navegação web, etc). Mas eu teria que ter muita, mas muita força de vontade mesmo pra deixar de usar firefox (e seus addons), picasa (reorganizar todas as minhas fotos e deixar de usar o mpp.py?) e outras coisas. O terminal eu só usava pra coisas como ifconfig e ping, pra gerenciar arquivos eu usava o próprio finder.

    Marcelo Beckmann: Acho que duas semanas é pouco tempo. Nas primeiras semanas eu estava todo animado, empolgado com as firula^w^w os efeitos visuais, o plugue de tomada magnético e o controle remoto. Mas depois de um tempo você começa a querer fazer as coisas que fazia antes e nota que não tem como (ou exige muitos hacks e muito esforço), daí vai perdendo a graça. BTW, eu tenho um perfil parecido com o seu em termos de ferramentas no Linux: fluxbox, vim, mutt, mplayer, etc, apesar de que nesse ponto ninguém bate o Aurélio que era o vim-console-nomouse-master e agora é mac-evangelist. :-)

    Reply
  15. Bandeira

    Se o Linux é tão bom e grátis por que não tem nem 10% de usuários do OS X?

    O mercado está divido em 90% Windows, 8% OS X e 2% demais OS :D

    Ue quer usar o firefox somente, se não viu tem uma lixeira ae no dock, vai na pasta aplicativos e arrasta o safari para ela e clica em Esvaziar Lixo.

    Bom, no dia que o superior Linux tiver 8% de mercado cria outro post e me avisa, meu email ta ae.

    []’s

    Reply
  16. Danilo Cesar

    Usei (e ainda uso) Mac por 7 meses, e estou passando por um precesso de re-nerdiação com debian e posso concluir algumas coisas.

    1 – Mac é, sim, limitador. Na minha opinião ele limita algumas opções, mas o que promete fazer ele faz, e faz bem.
    2 – Ainda não vi um SO tão simples, óbvio e integrado.

    MAS

    1 – Falta de Softwares livres para ele. Realmente no mundo linux há mais opções.
    2 – Desinstalador de bibliotecas: Alguém sabe como fazer?
    3 – Falta de opções para trabalho (trabalhar com embarcado linux em máquina não-linux sux)
    4 – Limitação: Como simplificador de conceitos isto é bom, mas tem certas coisas que precisam de muitos hacks, ou simplesmente não dá pra fazer (Como trocar endereço MAC da placa ethernet por exemplo)

    Sei lá, acho que os dois tem suas vantagens.

    Sinto-me mais livre no linux, mas funções do dia-a-dia ainda prefiro realizar no Mac. E não me preocupo tanto em ter que compilar coisas numa VM de vez enquando.

    Reply
  17. Fernando

    * Mouse com um botão;
    Pode usar qualquer mouse e até mesmo configurar o Might Mouse para 2 botões
    * Design fresco :-P;
    Isso não tem como resolver muito. Mas existem programas que podem personalizar o sistema
    * Um ecossistema não livre (inclusive menos “grátis” do que o MS-Windows);
    Pode se usar sistema pirata avontade que não dá mensagem de pirataria
    * Ctrl+C e Ctrl+V;
    pode ser configurado nas preferencias do sistema por optar por control em vez de command
    * Um browser (Safari) que teima em voltar a ser definido como padrão, mesmo com o Firefox3 instalado (evil!);
    Comigo isso nunca aconteceu
    * Sistema de janelas extremamente limitado (sem desktops virtuais, finder é muito simplificado, etc);
    Existem programas que substituem o Finder como o próprio KDE para OS X
    * O botão de maximizar tenta ser inteligente (e não é);
    Pode se trocar o efeito para scale entre outros
    * Sistema de instalação/remoção de aplicativos brain-damaged (eu poderia escrever um post sobre isso, mas vou dar uma de troll mesmo);
    Isso não tem solução
    * Bugs como em qualquer outro SO (e-mail client travava, máquina algumas vezes congelava em suspend quando o monitor externo era reconectado, etc)
    Nunca aconteceu comigo.

    Mas uma coisa tenho que dizer, o Linux também é massa. Nada contra você não ter gostado.

    Reply
  18. Priscila

    Tem que ter muita força de vontade e paciência para aguentar a usar o OS-X, ja tentei a uns anos atrás por uns meses mas a minha produtividade caiu muito e resolvi voltar para o Linux mesmo.

    Reply
  19. Lucas Maia

    …. tsc tsc tsc

    Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *