Viagem à Africa do Sul: Dirigindo, tudo ao contrário

Confira o post inicial: Viagem à Àfrica do Sul com o índice de todos os relatos da viagem realizada em dez/2007-jan/2008.

Depois de nosso safari no Kruger Park, era hora de encarar a estrada por conta própria. No dia 20 de Dezembro alugamos um carro em Joanesburgo e partimos em direção à Cape Town (Cidade do Cabo), onde ele seria devolvido 13 dias depois. Estavamos preparados pra encarar uma viagem com um roteiro minimamente definido, passando por pequenas vilas do interior, ficando em pousadas/albergues (backpackers, como eles chamam por lá) e experimentando um pouco de tudo. Levavamos conosco, entre outras coisas, barraca, GPS (alugado junto como carro), caixa térmica e sacos de dormir.

Estrada do interior

Paisagem do interior, entre Joanesburgo e Durban

O mais interessante e razão principal pra esse post em particular, é o fato de na África do Sul utilizarem as regras de tráfego da mão esquerda (também conhecido como “mão inglesa“). É tudo ao contrário e gasta-se algum tempo pra se adaptar: no início é preciso estar muito atento pra fazer as curvas e trafegar em ruas de mão dupla, ligar a seta (acionei 18 vezes o limpador de para-brisas por acidente) e principalmente, repensar as noções de espaço e distância estando do lado contrário do carro.

Dentro do carro - tudo ao contrário

Dentro do carro - tudo ao contrário

Algo que nos chamou a atenção é a educação no trânsito: todos respeitam a faixa de pedestres, há limites razoáveis de velocidade e, pra nossa surpresa, eles realmente param nas placas de “stop” (pra eles isso é tão obrigatório/comum quanto ligar a seta ao fazer-se uma curva). O sistema todo funciona muito bem, pois os policiais não são corruptos, as multas são leves, os motoristas educados, há bastante fiscalização e as estradas e sinalização muito boas. Pena que nesse ponto é no Brasil que é tudo ao contrário.

Falando em multa, recebemos uma por trafegar a 79km/h em uma região metropolitana, onde a velocidade máxima era de 60km/h. Fomos pegos numa blitz da polícia e acompanhamos o policial até a delegacia, onde pagamos o equivalente a R$ 40,00 (na hora, “no caixa”, sem burocracia) e ouvimos um “drive safely, take it easy man”. :-)

Algumas outras curiosidades e dicas:

  • O limite de velocidade máxima nas high-ways é de 120km/h;
  • A polícia não é corrupta e as multas, no geral, leves;
  • Os pedágios são baratos e frequentes nas high-ways, mas por lei toda estrada pedagiada deve ser acompanhada de uma alternativa asfaltada e de mão dupla;
  • Eles ainda vendem gasolina com e sem chumbo;
  • Brasileiros precisam ter carteira de motorista internacional;
  • Os GPS da Tom-Tom são excelentes e funcionam muito bem por lá;
  • Ficamos muito satisfeitos com o serviço da Tempest Sixt (aluguel do carro);
  • O preço do aluguel de carros é parecido com os preços no Brasil: pagamos algo próximo de R$ 110,00/dia (Rd 320,00) por um Toyota Corolla 1.6 automático, km livre e devolução longe da origem;
  • Vale a pena encarar algumas estradas alternativas, que cortem o interior. Embora mais lentas, o visual e a diversidade compensam.

No total foram 3.473km rodados entre Johanesburgo e Cape Town. No mapa abaixo, os principais pontos de parada:

Nosso próximo destino: Durban, a cidade mais indiana fora da Índia.

Comentários

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

7 Comments

  1. Meetabel

    As suas viagens me fazem refletir que a vida não é do trabalho para cara e da casa para o trabalho, e que devemos fazer o possivel para sair da rotina, viver coisas novas, caso o contrário a vida vira uma monotomia só.

    Reply
  2. Anny

    Caro Ademar,
    estou indo com meu marido em janeiro para a Africa do Sul (pacote turístico). Vamos ficar apenas 3 dias em Cape Town, então pensei em alugar um carro para fazer os tours (Peninsula/ Cape Point, Cape Agulhas, Wine Rout e Tubarões). Massss não sei se dá tempo de fazer tudo isso já que somos turistas enão conhecemos as rotas direito.
    Já percebi que vale a pena pelo custo mas não sei se fica muito cansativo. O que vc sugere??

    Adorei seu blog…há muitos dicas que serão ótimas para quem vai pra lá. Procurei muito um guia sobre a Africa do Sul e quase não encontrei nada…o seu blog vale muito mais a pena! Parabéns!!!

    Anny

    Reply
    1. ademar (Post author)

      Anny, três dias é corrido pra ver tudo. Eu fiquei dois dias e meio na cidade e não fui pra Wine Route e não fui mergulhar com tubarões. O bom de ter um carro alugado é justamente isso: você pode priorizar conforme o clima e a sua disposição, sem ficar preso a um roteiro.

      Cape Agullas fica um pouco longe, acho que não vale a pena se você já não estiver passando por lá a caminho de outra região.

      Abraço e boa viagem,
      – Ademar

      Reply
  3. marco antonio

    Amigo, voce disse que a carteira de motorista para alugar carro em africa do sul tem que ser a internacional, como faco para tirar:

    agradeco suas informacoes

    Reply
    1. ademar (Post author)

      Marco Antônio, o Detran tem todas as informações de como tirar a carteira internacional. O custo varia de estado pra estado e até onde sei não é preciso fazer nenhuma prova.

      Reply
  4. alvaro

    caro ademar,
    estarei na africa do sul durante a copa do mundo e pretendo alugar um carro. vc saberia dizer a distância entre cape town e durban e ´também sobre as condições da estrada.desde j´´a agradeço pela atenção.

    Reply
    1. ademar (Post author)

      Alvaro, use o google-maps (http://maps.google.com) pra planejar a viagem e conferir o roteiro e distâncias. Quanto a estrada, em geral é um tapete, muito boas.

      Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *